O estágio do KidCoach: experiência e remuneração

O estágio do KidCoach: experiência e remuneração

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 09 de abril de 2020

No processo de formação de todo KidCoach, há um fase fundamental que é equivocadamente desvalorizada por alguns alunos: a etapa do estágio. O estágio é determinante para que haja sucesso nos processos de Coaching, pois tem a função de consolidar tudo o que a pessoa aprendeu na teoria, aumentando muito suas chances de sucesso no mercado.

É normal que haja uma certa apreensão neste primeiro voo em direção à prática, e para ajudar nesse processo existem atividades propostas no cronograma de estudos que preparam o aluno para o momento do estágio – além da mentoria com profissionais experientes (inclusa no programa) e um grupo de supervisão para quem desejar se aprofundar.

Para aqueles que se sentem inseguros, uma orientação: É importante assistir aos vídeos e ler o material da apostila, mas retomar essas práticas infinitas vezes não é o que vai torná-lo um KidCoach. Na realidade, é o estágio que verdadeiramente habilita o profissional.

Como começar?

No material da formação, há um passo a passo detalhado que demonstra como conduzir cada sessão. Nos primeiros atendimentos, é natural que o KidCoach não consiga fazer 100% do que consta no método. Ainda que isso aconteça não é preciso se martirizar. Tenha certeza de que ainda assim, desde que haja empenho, você vai entregar valor para essa família.

Uma ideia para se lembrar do passo a passo é criar uma “cola oficial”: em um flip chart, slide ou no seu notebook, anote cada tópico integrante daquela sessão. Assim, você não vai correr o risco de deixar passar alguma coisa importante. A fase do estágio faz parte do processo de aprendizado, sendo assim, e faça o exercício de aceitar os possíveis equívocos como parte do pacote.

À medida que os resultados começam a aparecer, na forma de depoimentos da família contando dos progressos do Coachee, o KidCoach vai ganhando confiança em si e no seu trabalho, e aí a insegurança vai ficando para trás.


Estágio numa hora dessas?

Alguns KidCoaches se perguntam: “Já tenho muitos anos de atuação profissional, preciso fazer estágio mesmo assim?” Sim, porque esta é uma carreira nova. No entanto, você tem um grande trunfo, que é a bagagem que já acumulou e a maturidade que conquistou ao longos dos anos, em sua primeira atividade. Lembre-se de que é preciso humildade para continuar a crescer e evoluir, tanto pessoalmente quanto profissionalmente. E que a prática é um processo de maturação, que não tem a ver com idade ou experiência profissional em outra área.

Estágio = pro bono?

Apesar do que a maioria das pessoas pensa, o estágio pode, sim, ser remunerado – mesmo no início da sua atuação como KidCoach. A modalidade pro bono é importante para atender a quem não tem condições, mas pro bono não significa gratuidade. É uma espécie de favorecimento para o cliente que não dispõe de recursos financeiros, mas o ideal é que sempre haja algum tipo de troca ou permuta. Isso, inclusive, ajuda a aumentar o comprometimento do Coachee.

As pessoas se implicam significativamente mais quando dão algo de si em troca do serviço recebido (ex.: uma fotógrafa pode produzir fotos profissionais para divulgar o seu trabalho; uma cozinheira pode fazer refeições; um designer pode criar seu cartão de visitas etc.). Além disso, quando há uma espécie de troca o cliente se empodera, já que não está recebendo um favor do KidCoach.


E aí, você está pronto para iniciar seu estágio?

                      

Matérias Relacionadas

Como o Covid mudou o mercado de trabalho?
Síndrome do impostor: você também se identifica?
Como o Kids Coaching pode ajudar no desempenho escolar?