Um diferencial na atuação com crianças e adolescentes

Um diferencial na atuação com crianças e adolescentes

Por: Marcia Belmiro | Adolescentes | 27 de dezembro de 2019

Tem gente que pensa que as formações Kids Coaching e Teen Coaching são voltadas exclusivamente ao público que já é coach. Pelo contrário! Profissionais que já atuam com crianças e adolescentes – professores, pedagogos, psicólogos, pediatras, fonoaudiólogos, nutricionistas – têm percebido o quanto podem agregar conhecimentos a sua atuação e buscam cada vez mais nossos programas.

“Percebo nos dias de hoje que os profissionais não têm instrumentos que efetivamente funcionem, instrumentos apropriados ao novo contexto de crianças e adolescentes e às questões que eles trazem atualmente. As faculdades não formam pessoas para atuar com as gerações Z e Alpha, tão questionadoras e inquietas. Continuam massificando o ensino da teoria, e quando se gradua é comum o profissional não ter ideia do que vai fazer na prática”, analisa Marcia Belmiro.

Ser KidCoach ou TeenCoach é um grande diferencial no mercado para esses profissionais, pois essas formações trazem uma instrumentalização que não se encontra em outro curso voltado às áreas específicas. É uma oportunidade de revisitar seu estilo de abordagem, aperfeiçoando-o com novas técnicas e ferramentas, dentro da profissão que escolheu.

Ana Paula Souza Colatino Leorde, professora de português e alemão e mãe de Miguel (4 anos) e João Felipe (3 anos), fez a formação Kids Coaching no início de 2019.

Ela conta um pouco da sua experiência aqui:

“Sou formada em Letras (português/alemão) e trabalho desde 16 anos como professora. Já passei pela educação infantil, e atualmente trabalho com ensino fundamental e ensino médio, na rede estadual e em escola privada. Descobri o Kids Coaching pela internet, procurando um plano B para minha carreira, pois emocionalmente meu trabalho estava muito desgastante. Buscava algo diferente, mas ainda voltado para as crianças, e que pudesse contribuir pessoal e profissionalmente.

Quando o consultor do ICIJ disse que eu já sairia do curso presencial formada, aquilo me atraiu mais ainda. Quando fiz o curso, me apaixonei: me transformou como mãe e me fez retornar ao meu propósito de vida, às minhas crenças e meu valores como pessoa e educadora que sou. No domingo mesmo [último dia da formação] já mandei para todas as pessoas que conhecia um texto sobre a minha nova função, e comecei a atender famílias com certa insegurança, mas me saí bem. Meu primeiro cliente já foi pagante.

Na escola, aplico com sucesso a técnica de boas conversas antes das provas, que trazem mais segurança e tranquilidade para as crianças. Dois alunos participaram de um concurso de leitura em alemão. Apliquei a técnica do road map e recebi um ótimo feedback deles. Com tudo que venho aprendendo, até vou mudar meus filhos de escola no ano que vem. Eles vão para uma instituição que tem mais a ver com meus valores de educação integral, uma escola que promova além da formação cognitiva. E agora estou fazendo a formação Teen Coaching, para garantir um novo diferencial e aumentar minhas possibilidades de atuação.”

                      

Matérias Relacionadas

A importância do teatro na escola
O que a experiência do Covid pode ensinar para as famílias empreendedoras?
Como pais podem ajudar os filhos nos desafios atuais?