As técnicas e ferramentas no Kids Coaching

As técnicas e ferramentas no Kids Coaching

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 28 de outubro de 2020

O Método CoRE KidCoaching, criado em 2015, atualmente entrega mais de 30 técnicas e ferramentas para atendimento familiar, parental e escolar. A maioria delas é inédita e foi desenvolvida por Marcia Belmiro, tendo como base estudos de testes projetivos, a psicologia do desenvolvimento infantil, as mais recentes descobertas das neurociências, e por isso dão resultado tão rápido.

As demais técnicas foram adaptadas da Gestalt-terapia e do Coaching, com o objetivo de acessarem os três públicos: crianças, pais e educadores. Por meio dessas mais de 30 técnicas e ferramentas, o KidCoach consegue um acesso rápido e direto à forma de pensar e sentir da criança.


Ferramentas ou dinâmicas?

Muitas pessoas equivocadamente confundem essas ferramentas com as famosas dinâmicas de grupo, mas umas são bem diferentes das outras. No Método não há dinâmicas (individuais ou de grupo), que são situações simuladas nas quais as pessoas veem suas questões de forma metafórica, e a partir daí fazem inferências para a vida real. Ao contrário, nas sessões do Método são propostos exercícios baseados nas situações reais que o coachee traz, levando em conta o contexto exclusivo daquela pessoa.

Também é oportuno fazer a diferenciação entre técnica e ferramenta: Enquanto as ferramentas são a transposição do arcabouço teórico do Método CoRE KidCoaching para a prática, a técnica permeia o todo. Sem ela, o profissional não consegue usar as ferramentas. Fazendo uma comparação, você pode ter uma furadeira (ferramenta), mas se não tem a técnica, não vai conseguir pregar um quadro na parede (objetivo).

O tempo todo, em todas as aplicações de técnicas, há um direcionamento para o foco do objetivo específico daquela família. Confira alguns exemplos de ferramentas:

No Baralho de Animais, por meio das características dos bichos (atribuídas pela própria criança), é possível acessar suas próprias características e as crenças que tem sobre si mesma;

Em Me Conta Uma História, a gamificação atrai o interesse da geração alpha para narrar situações que afetam a criança positiva ou negativamente;

Os bonecos das Células Relacionais fazem parte de uma proposta de deslocamento perceptivo da criança acerca de si mesma. Trazem a possibilidade de a criança se perceber através do olhar de outras pessoas, por meio de suas atitudes e do que estas geram no ambiente ao redor;

As boas perguntas, a paráfrase e a metalinguagem são os recursos comunicacionais usados o tempo todo no Método, com o objetivo de espelhar para a criança, os pais e professores seus comportamentos, de modo que possam perceber o que têm no momento e o que desejam ter no lugar, sem que o KidCoach caia na armadilha de julgar ou sugerir.

Matérias Relacionadas

Perda dos pais na adolescência: como lidar?
Quais são as principais demandas ao procurar um KidCoach?
Humor na sala de aula: Por que e como usá-lo?