Como ajudar seu filho a lidar melhor com as aulas on-line?

Como ajudar seu filho a lidar melhor com as aulas on-line?

Por: Marcia Belmiro | Educação | 29 de abril de 2020

Durante a quarentena, temos recebido muitas mensagens de mães preocupadas com a falta de adesão dos filhos às aulas on-line que têm sido ministradas enquanto as escolas seguem fechadas. De modo geral, nessas mensagens as pessoas pedem dicas para ajudar as crianças e os adolescentes nesse processo que está tirando o sono de muita gente.

No entanto, o Método CoRE KidCoaching não acredita na efetividade de dicas ou quaisquer soluções prontas, “receitas de bolo” que supostamente servem para todos. Nossa crença é de que cada família pode encontrar seu próprio modelo, que vai ser eficiente naquela realidade específica.

Em primeiro lugar, Marcia Belmiro propõe uma discussão sobre a real necessidade das aulas on-line, especialmente para as crianças menores. “Em um momento em que o mundo está passando por uma situação de isolamento social, com todos os desdobramentos que isso acarreta – inclusive na saúde mental dos indivíduos –, tenho a crença pessoal de que as famílias são capazes de escolher quais são suas prioridades, baseadas no que funciona melhor naquele sistema.”

Marcia propõe que as famílias criem suas próprias regras e combinados, em conjunto: crianças e adultos. Isso vale para o funcionamento (limpeza e arrumação) da casa e para todo o resto. Vale inclusive para as aulas EAD: “Se a família entender que é mais efetivo e interessante naquele momento que os filhos foquem sua energia em outros tipos de vivências e aprendizados, respeitando os princípios e valores daquele sistema familiar, podem optar por não acompanhar as atividades virtuais propostas pela escola.”

Independentemente da decisão tomada, fazer regras e combinados é importante para definirem como seguir a partir daí. Se a família inteira entende que no seu contexto familiar a decisão for no sentido de seguir as propostas de aulas on-line da escola, compartilhamos a seguir o passo a passo para fazer regras e combinados eficazes com as crianças:

1. Expor a problemática, cada um colocando seus pontos de vista e explicando seus motivos. (Ex.: “A escola mandou as atividades para fazer, e entendemos que estudar é importante, inclusive neste momento. Sabemos que o modelo on-line é bem diferente do que você estava acostumado – na escola, convivendo com os professores e colegas –, mas como podemos fazer isso dar certo da melhor maneira possível?”)

2. Propor a construção conjunta de regras e combinados para essa situação. (Ex.: “O computador da casa fica liberado nos horários tais e tais por conta do home office, como podemos organizar isso? Quem quer propor soluções?” – Anotem todas as sugestões e pensem juntos em como botá-las na prática)

3. Utilizar boas perguntas, gerando verbalização – tendo claro que algumas situações não são opcionais. (Ex.: João propôs estudar só de noite, mas será que esse tempo vai ser suficiente? Fico pensando se estudar até tarde e ir dormir de madrugada é uma atitude saudável.”)

4. Efetuar os combinados em conjunto, abrindo espaço para as possíveis consequências.

Resumo
Neste processo, quatro elementos são fundamentais:

– Perguntar (Ex.: “E se a situação mudar? Como vamos refazer os combinados?”);

– Valorizar as respostas dadas pelos filhos, mesmo que não sejam eficientes (e a partir das boas perguntas levá-los a pensar em opções melhores);

– Fixar (escrever – ou desenhar, caso as crianças ainda não saibam ler – os combinados em algum lugar visível, como a porta da geladeira);

– Valorizar as decisões tomadas em conjunto e todos se comprometerem a fazer dar certo.

LEMBRANDO QUE:
Como as situações neste momento alteram com frequência, vale a pena promover novas conversas e refazer os combinados sempre que necessário.

Fonte:
“Regras e combinados” – Parte integrante do curso de formação Kids Coaching.

Matérias Relacionadas

Obesidade infantil: uma epidemia mundial
Como incentivar a gratidão nos filhos?
Crianças e animais de estimação