Dicas de aplicativos para as crianças aprenderem brincando

Dicas de aplicativos para as crianças aprenderem brincando

Por: Marcia Belmiro | Crianças | 23 de setembro de 2019

Quem acompanha nosso blog sabe da postura do ICIJ – Instituto de Crescimento Infantojuvenil contra a interferência excessiva de tecnologia, especialmente de telas, na vida das crianças, pois acreditamos que a vida off-line é capaz de ensinar tudo o que os pequenos de hoje em dia precisam para se tornarem adultos saudáveis, capazes e independentes. Diante de pedidos de mães, pais e educadores de dicas de aplicativos infantis, testamos e indicamos aqui quatro deles que, acreditamos, respeitam a inteligência das crianças e auxiliam seu desenvolvimento, aliando educação, diversão e estímulo à criatividade.

Como bônus, incluímos ainda um podcast e duas playlists do app de música Spotify.

1 – Bamboleio

O que é?
Aplicativo de livros para a infância. O catálogo, que aumenta a cada mês, tem mais de uma centena de obras completas, selecionadas pela curadoria do projeto.

Gratuito nos 14 primeiros dias, depois custa R$ 19,90 ao mês.

Disponível para Android e iOS.

2 – Laboratório da Luna

O que é?
O aplicativo tem nove experimentos para a criança aprender de uma forma divertida sobre assuntos tão diversos quanto aranhas, cores, caracóis, o ciclo da água, Saturno, constelações, borboletas, a bananeira e a fabricação do pão.

Gratuito (o acesso a algumas funcionalidades é pago).

Disponível para iOS.

3 – Arqueólogo: Jurassic Life

O que é?
No jogo, a criança cava para achar ossos e montar os esqueletos de dinossauros, além de aprender sobre as diversas espécies desse animal.

Gratuito (o acesso a algumas funcionalidades é pago).

Disponível para Android e iOS.

4 – Fairytale Play Theater

O que é?
Com essa ferramenta, crianças podem criar suas próprias versões de contos de fada clássicos, como “Branca de neve”, “Chapeuzinho vermelho”, “Os três porquinhos” e “Cinderela”. Para isso, elas podem selecionar cenas, trilhas sonoras, personagens e adereços.

Quanto?
Gratuito (o acesso a algumas funcionalidades é pago).

Disponível para iOS.

Bônus: 1 podcast + 2 playlists do Spotify

O Spotify é o aplicativo de áudio mais usado no Brasil. Para o público infantil, além de músicas, há podcasts e playlists especiais. Selecionamos algumas opções interessantes e divertidas, todas gratuitas no plano básico:

a) Coisa de criança

O podcast apresentado pelo casal Thiago Queiroz e Anne Brumana tem episódios contando por que o mar é salgado, de onde vêm os raios e trovões, como surge o arco-íris e outras curiosidades naturais dos pequenos.

b) Coleção Disquinho

Os pais e mães vão lembrar da própria infância ouvindo clássicos como “Alladim”, “A cigarra e a formiga” e “O lobo e os três cabritinhos”.

c) Livros que amamos: histórias para crianças

A contadora de histórias Denise Gomes narra livros como “Marcelo, marmelo, martelo”, “Chapeuzinho amarelo” e “Lúcia Já Vou Indo”.

 

Reforçamos que o uso de telas (televisão, tablet, celular e videogames) antes de 2 anos de idade causa importantes desvios no desenvolvimento neuropsicomotor, e por isso recomenda-se zero exposição a esse tipo de tecnologia.

Entre 3 e 5 anos, o recomendado é no máximo uma hora por dia, sob supervisão dos pais. Entre 6 e 18 anos, a Academia Americana de Pediatria indica a exposição de 2 horas por dia, não excedendo 4 horas diárias.

Está comprovado que o uso excessivo de videogames pode causar dependência, e constará no Código internacional de doenças CID-11, em vigor a partir de janeiro de 2022.

 

Fonte das orientações saudáveis sobre o uso de telas por crianças: Rodrigo Carneiro, neuropediatra integrante da Sociedade Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil e Profissões Afins. Texto disponível em: https://www.revistaencontro.com.br/canal/atualidades/2019/09/neuropediatra-esclarece-audio-sobre-exposicao-de-criancas-a-telas.html

                      






Matérias Relacionadas

“Sou a pior mãe do mundo”
Kids Coaching e a melhora no desempenho escolar
Como o Kids Coaching pode acrescentar ao meu currículo?