O KidCoach pode atender os próprios filhos, os filhos dos amigos ou parentes?

O KidCoach pode atender os próprios filhos, os filhos dos amigos ou parentes?

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 13 de abril de 2020

Continuando a série de artigos sobre as perguntas que mais recebemos dos nossos clientes, o tema de hoje é: “O KidCoach pode atender os próprios filhos, os filhos dos amigos ou parentes?”

Com a palavra, Marcia Belmiro:

Em primeiro lugar, devo lembrar que a regra existente no atendimento psicoterapêutico que proíbe os psicólogos de atenderem parentes e amigos não se aplica ao Coaching. Na terapia, em geral o objetivo é curar, tratar traumas, fobias ou distúrbios que advêm do passado.

Nesta situação, alguém que tenha contato íntimo com o paciente não é habilitado a atendê-lo. Mesmo que não tenha diretamente a ver com as situações analisadas em consultório, o psicólogo tem ciência desses acontecimentos e é provável que tenha formado sua própria versão – parcial, naturalmente – da história, o que atrapalharia o processo terapêutico.

No processo de Coaching, o cenário é completamente diferente: Para começar, a proposta não é de tratar nem curar, mas de interferir numa situação pontual (não patológica, vale reforçar), que gere desconforto e dificuldade para alcançar algum objetivo específico.

Neste caso, o cliente (ou Coachee, nunca paciente) vai atuar em parceria com o Coach, de modo a olhar para o que o desagrada no presente e traçar o objetivo que deseja alcançar no futuro – ou seja, em nenhum momento se buscam causas nem possíveis culpados: não existe foco no passado.

Resumindo: O KidCoach pode, sim, atender os próprios filhos, os filhos dos amigos e parentes (isso pode ser até um ponto positivo, pois as crianças às vezes se conectam emocionalmente melhor com aqueles em quem já confiam) – desde que não existam quaisquer impedimentos, a saber:

1) O KidCoach não tem uma relação saudável com os pais do Coachee (no caso de parentes ou filhos de amigos). Ex.: Seu sobrinho não tem uma alimentação saudável, mas na sua opinião isso acontece por culpa da sua cunhada, que cria ele mal. Nessa situação, você não está apto a manter o não julgamento, princípio fundamental do Método CoRE KidCoaching.

2) O KidCoach não tem uma relação saudável com o outro responsável pelo Coachee (no caso de a criança ser o próprio filho). Ex.: Você é separada do pai do seu filho, e por questões do passado você não confia nele. Aqui, novamente é provável que você não seja capaz de manter o princípio do não julgamento, o que inviabiliza o processo.

3) A relação KidCoach-Coachee impede o processo neste momento (no caso de a criança ser o próprio filho). Ex.: Seu filho tem baixo rendimento escolar, e ele acredita que essa responsabilidade é sua. Esse tipo de discurso por parte das crianças é comum, a questão é como você vai lidar com ele. Se no momento presente você não consegue levar seu filho à autorresponsabilidade e isso está impedindo o processo de avançar, não há nada de errado nisso. Significa apenas que talvez, neste caso específico, você deva procurar outro KidCoach para conduzir este processo.”

Você ainda tem alguma dúvida sobre esse assunto? Entre em contato com a gente pelas redes sociais do ICIJ:

Instagram: https://www.instagram.com/institutoinfantojuvenil/?hl=pt
Facebook: https://www.facebook.com/InstitutoInfantojuvenil/
LinkedIn:
https://www.linkedin.com/company/icij/

Matérias Relacionadas

Dicas de atividades extracurriculares on-line
É muito tarde para mudar de carreira?
Seu filho adolescente está sempre cansado?