Os 6 erros comuns das pessoas que mudam de profissão

Os 6 erros comuns das pessoas que mudam de profissão

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 14 de setembro de 2020

Fazer uma transição de carreira envolve altas doses de expectativa. Afinal, para muitas pessoas se trata da realização de um sonho: É a possibilidade de finalmente trabalhar em algo alinhado a seus propósitos de vida, ou de ter mais tempo para acompanhar o crescimento dos filhos, ou ainda de obter o retorno financeiro almejado há tempos.

No entanto, para que seus objetivos se concretizem é preciso estar atento aos possíveis desvios nesse percurso. Confira aqui uma lista com os 6 erros mais comuns das pessoas que mudam de profissão:

1) Fazer a mudança sem o devido planejamento financeiro. As pessoas muitas vezes subestimam o tempo que vão levar até terem uma renda mínima com a nova ocupação. Quando isso acontece, o profissional se descapitaliza, o que pode até inviabilizar o processo de transição.

2) Iludir-se com uma “oportunidade mágica”. Você recebeu uma proposta tentadora: garantia de alto retorno financeiro com um investimento mínimo de dinheiro e tempo. Fique de olho, porque dificilmente essa é a história completa.

3) Expectativa de iniciar já no topo. Algumas pessoas creem que vão começar em um novo ramo de atuação com o mesmo nível de proficiência que tinham no antigo ramo. Não aceitam que precisam passar por determinadas etapas para se prepararem, como estágios, atendimentos pro bono ou um salário menor do que o que estavam acostumados antes. Com isso, impedem que a transição se dê de fato.

4) Esperar chegar ao seu limite. Você já não sente satisfação profissional há meses ou até anos, mas o tempo foi passando e nenhuma ação concreta foi tomada, até que a situação se torna insustentável. Nesse caso, você pode fazer uma transição apressada, sem tomar todos os cuidados necessários, ou até confundir a necessidade de mudar de profissão com o que poderia ser resolvido trocando de empresa ou simplesmente de área dentro da mesma empresa.

5) Não ter um plano de ação consistente. A pessoa sabe que deseja ter um trabalho que vá ao encontro de seus valores pessoais, mas não define exatamente sua meta nem os passos para chegar até lá. Outro erro comum é não fazer um acompanhamento de sua evolução, e assim não percebe quando é hora de recalcular a rota e alterar o rumo.

6) Crer que vai poder dedicar à nova profissão o mesmo que antes. Uma transição de carreira obrigatoriamente vai requerer maior tempo e energia dedicados à nova escolha, pelo menos no início. Isso é necessário para que os novos aprendizados se consolidem, para que você possa mostrar ao mercado seu valor e ser reconhecido por isso.


O que fazer quando se comete um erro na transição de carreira?

O ideal é contratar um expert na área, alguém para supervisionar seu trabalho no início. Esse profissional vai ajudá-lo a analisar o tamanho do estrago causado e como contorná-lo com o mínimo de danos possível, com precisão e sem desespero. Ter esse suporte é algo que pode ser feito até antes de acontecer algum engano – que pode ser fatal para seu projeto.

Isso vai ser importante porque é comum que as dúvidas surjam quando se bota de fato a mão na massa. São situações não planejadas, que não passaram pela sua cabeça enquanto ainda estava na fase de formação teórica. Outro bom motivo para contratar um mentor é pedir a ele feedbacks sobre a sua atuação – e ouvir atentamente essas críticas, que são preciosas.

Matérias Relacionadas

“Meu marido não ajuda em casa”
Quando os pais se separam, como auxiliar os filhos?
Cinco sinais de que seu filho pratica bullying