Você sabe o que é micro bravery?

Você sabe o que é micro bravery?

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 15 de abril de 2021

Você se considera uma pessoa corajosa? Muitas pessoas acreditam que ser corajoso significa não ter medo de nada – algo completamente impossível quando se trata de seres humanos. Na verdade, a coragem possível é definida pela atitude de enfrentar os próprios medos, e aceitar que nem sempre terá sucesso na empreitada.

Recentemente a norte-americana Caroline Paul criou a definição de uma nova dimensão de coragem: o micro bravery. De acordo com Caroline, micro bravery, ou microbravura, é tudo aquilo que eu posso fazer hoje para avançar um pequeno passo em determinada situação que parece desafiadora para mim.

O objetivo é deixar de lado a ideia de que uma pessoa corajosa é aquela que demonstra “bravura glamorosa”, feita de atos grandiosos (como salvar alguém num prédio em chamas, por exemplo), e substituí-la pelo conceito de que as pequenas coragens necessárias para ultrapassar os obstáculos cotidianos, na forma de ações contínuas e consistentes no dia a dia, é aquilo que nos torna a todos potencialmente corajosos.

Bravuras múltiplas

Esse conceito pode ser aplicado tanto no âmbito pessoal (olhar para baixo em um lugar alto, convidar alguém para sair) quanto no profissional (pedir aumento ao chefe, falar em público), e é relacionado ao aumento da autopercepção e da conexão consigo mesmo, com seus desejos e propósitos.

O micro bravery é especialmente interessante, dizem os especialistas, para aqueles com tendência a procrastinar. Isso porque algumas pessoas esperam chegar à perfeição para só aí dar início a alguma atividade. Como a perfeição não chega nunca, elas jamais começam o que desejam, e aí vem a frustração.

Quando se trata de um KidCoach, seria mais ou menos assim: A pessoa fica esperando estudar o programa três vezes porque acredita que só aí vai dominar todas as técnicas (mas não entende que sem colocar a mão na massa nunca vai atingir esse nível de excelência).

Macropaciência, micropassos

Caroline explica que muitas pessoas se sentem fracassadas por uma experiência que não deu certo, mas elas nunca praticaram o suficiente para alcançar o que desejam, simplesmente “se jogaram” e algo falhou no percurso. Assim, passam a vida toda se martirizando por uma experiência ruim, e nem imaginam que são capazes de fazer melhor numa próxima oportunidade – caso se permitam ter uma nova chance.

A ideia do micro bravery é que, antes de ir até a beirada da varanda do último andar de um prédio alto ou de se voluntariar para dar uma palestra para a empresa inteira num auditório lotado (usando os exemplos dados acima) a pessoa comece aos poucos.

O micro bravery pressupõe que com pequenos atos de bravura é possível construir uma grande coragem. E mais: que a bravura é contagiosa. Ou seja, se você colocá-la em prática em um aspecto da vida, o “reservatório de coragem” criado poderá ser usado também em outras áreas da vida.

Na prática

O primeiro passo é sair da zona de conforto das crenças limitantes (ex.: nunca vou sair com aquela pessoa; nunca vou conseguir pedir aumento ao meu chefe; nunca vou atender um processo de Kids Coaching com cliente pagante) e definir pequenas atitudes que vão ajudar a pessoa a atingir seu objetivo no longo prazo. Aos poucos a confiança aumenta e o indivíduo se sente à vontade para se arriscar mais.

Por exemplo, se você quer aprender a falar em público, pode se matricular em um curso de oratória, ou começar conversando sobre assuntos banais na hora do cafezinho, com dois ou três colegas que você sabe que podem te dar um feedback gentil, e a partir daí definir novos microdesafios.

Se você é KidCoach, comece a atender já, a colocar o Método em prática dentro de casa, a atender pessoas conhecidas cobrando pelo serviço (mesmo que a princípio seja um valor mais baixo). Caminhe aos poucos, mas sem parar de avançar nunca, e você vai ver que em pouco tempo terá atingido seus objetivos.

Matérias Relacionadas

Como abordar a igualdade social em sala de aula?
Coaching para Adolescentes
Metacognição e a melhora do processo de aprendizagem