Kids Coaching e Teen Coaching aumentam as chances de colocação no mercado

Kids Coaching e Teen Coaching aumentam as chances de colocação no mercado

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 05 de novembro de 2020

No dia 27 de outubro Marcia Belmiro fez uma live com o tema “Atender crianças e adolescentes é um mercado em alta?”. Na ocasião, ela deu um panorama da infância e da adolescência hoje em dia em nosso país, baseado em dados oficiais, e abordou as chances reais de colocação no mercado de KidCoaches e TeenCoaches.

Confira os melhores momentos desse encontro:

Você está cansada da sua profissão? Quer fazer uma transição de carreira bem-sucedida, mas ainda não sabe em qual segmento atuar? Esta live é para quem está pensando em uma virada de carreira, quem se aposentou, quem está experimentando as transformações provocadas pela maternidade; para você que está se questionando sobre uma mudança no rumo profissional, porque a escolha anterior não estava trazendo satisfação, para você que gosta do contato com crianças e famílias.

Dados importantes desse mercado no Brasil:

– Atualmente o país tem 210 milhões de habitantes, e 33% da população é composta por crianças e adolescentes de 0 a 19 anos.

– 18% dos homicídios atingem pessoas de 0 a 19 anos.

– Em 2017 foram registrados 59 mil casos de violência física e mais de 12 mil casos de suicídio de crianças e adolescentes.

– 1,5% das crianças abandonam a escola ainda no ensino fundamental.

– No ensino médio essa taxa de abandono sobre para 6,1%.

– Em 2010, mais de 2 milhões de crianças e adolescentes estavam fora da escola.

– Mais de 12 milhões de crianças estão numa situação de distorção idade-série (quando o aluno está mais de dois anos atrasado na escola).

– Em 2013 mais de 27 mil crianças entre 10 e 14 anos tiveram filhos.

– No Brasil estima-se que 3% da população entre 4 e 17 anos sofra de depressão (cerca de 18 milhões de pessoas).

– De acordo com o IBGE, os casos de bullying aumentaram de 5% para 7% nas escolas brasileiras. Segundo a USP, 30% dos estudantes brasileiros praticam ou sofrem bullying.

A família contemporânea:

O modelo tradicional de família, com papéis rígidos, não se encaixa mais na realidade: As figuras parentais (mãe e pai) têm entre uma e quatro uniões ao longo da vida. Como consequência, surgem famílias amplas, diversas, que vão agregando meios-irmãos de um lado e do outro, irmãos emprestados das uniões anteriores do padrasto/ da madrasta. Há ainda o aumento de situações em que a mãe tem uma namorada, ou o pai tem um namorado.

Ou seja, esse padrão tradicional não existe mais, as pessoas estão inseridas nas novas realidades, mas no inconsciente ainda vivem o modelo tradicional. Como consequência, acabam transportando para a família de hoje os conceitos de antigamente.

Outra questão é que hoje em dia os adultos cuidadores passam muitas horas fora de casa (por motivo de trabalho ou de lazer). Os pais e mães da atualidade gostam de estar em família, mas também prezam seus projetos e hobbies individuais. Nas classes média e alta é comum que as crianças tenham agendas cheias de atividades extras. À noite, quando todos voltam para casa, estão cansados demais para terem conversas e estarem juntos.

De acordo com a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), existem 69 milhões de famílias atualmente no Brasil. Essas famílias, se não têm alguma dificuldade hoje, certamente terão em algum momento, porque não existe família sem dificuldade. E muitas vezes essas dificuldades não são da ordem da saúde, mas apenas do comportamento: relacionar-se com o novo companheiro da mãe ou do pai, com o novo irmãozinho, realizar o desmame ou o desfralde, dormir na própria cama, dificuldades de aprendizagem (não patológicas).

Levando tudo isso em conta, atender crianças, adolescentes, famílias e escolas, neste momento, é um mercado definitivamente em alta!

As famílias estão necessitando de ajuda e apoio. Escolas estão contratando KidCoaches pois não sabem o que fazer (há até profissionais com fila de interessados, pois não estão dando conta de atender a todas as escolas);

Os pais, por sua vez, buscam mais do que nunca a ajuda dos KidCoaches pois também não sabem o que fazer: sobrecarregados com trabalho e crianças dentro de casa, cansados, nervosos, irritados, desesperados, tomando decisões que não gostariam e depois se sentindo culpados;

Quem trabalha com atendimento parental, familiar e escolar está reinando, mas não vale oferecer um atendimento qualquer. Tem muita gente no mercado, mas bem poucos preparados de fato, instrumentalizados para atuar com todos esses desafios que eu trouxe para vocês.

Especificamente dentro das famílias, o maior problema não é a comunicação, mas é por meio da comunicação que conseguimos resgatar as dificuldades e saná-las (promovendo uma mudança comunicacional dentro da relação familiar). Uma grande parte dos problemas das famílias passa pela não resolução dos problemas dos pais e mães de hoje com seus próprios pais e mães, o que os impede de criar seus filhos.

É hora de entregarmos valor, prevenção aos desequilíbrios que podem se tornar questões de saúde mais à frente. Está a nosso alcance ajudar a resgatar o bom convívio, ao mesmo tempo com fronteiras claras de respeito entre os membros da família/ alunos e professores. O Método CoRE KidCoaching trabalha exatamente com este propósito: trazendo prevenção, restabelecendo a comunicação e a conexão dentro das famílias e das escolas.”

Matérias Relacionadas

Como desenvolver a resiliência infantil
Cama familiar: solução ou problema?
Como lidar com os palpites na criação dos filhos