Cinco pré-requisitos para ser um KidCoach

Cinco pré-requisitos para ser um KidCoach

Por: Marcia Belmiro | Carreira | 29 de outubro de 2020

Diante da realidade em que vivemos – crianças em frente às telas por longos períodos, inseguras, com medo de dormir na própria cama, alimentando-se mal, sem cumprir suas rotinas de estudo, higiene, organização –, a necessidade de uma mudança é urgente.

Muitas pessoas já perceberam essa necessidade, e tem buscado a formação Kids Coaching como uma maneira de contribuir para uma transformação positiva nas próximas gerações. Mas o que será necessário para se tornar um KidCoach de sucesso?

É isso que Marcia Belmiro, a criadora do Método CoRE KidCoaching, revela a seguir.

Cinco pré-requisitos para fazer de você um profissional diferenciado, uma mãe extraordinária:

1) Gostar de aprender

Pessoas bem-sucedidas estão sempre curiosas, gostam de saber mais sobre assuntos que vão contribuir para que se tornem seres humanos e profissionais melhores. Capacitar-se, preparar-se e investir em si mesma é a primeira atitude necessária para tal.

2) Ser capaz de colocar o que você aprende logo em prática

Segundo estudos das neurociências e da ciência da cognição, o aprendizado ocorre de duas maneiras: aliando uma intensa emoção ao que se quer aprender ou pelo binômio prática-repetição. Quando simplesmente estudamos algo e não colocamos em prática, as chances de aquilo cair no esquecimento são grandes.

De nada vai adiantar ter lido um monte de livros se você não experimentar, seja no âmbito emocional ou na prática real. O mesmo acontece quando você conhece as ferramentas para lidar com sua criança, mas na hora que ela surge com uma demanda específica você não sabe qual delas usar, ou não tem segurança para aplicar.

Para tudo que vamos aprender e queremos dominar, existem quatro fases para sair do total desconhecimento até chegar ao domínio. São elas:

Inconsciência incompetente: nem sei que não sei.

Consciência incompetente: sei que não sei.

Consciência competente: sei que sei.

Inconsciência competente: nem sei mais aquilo tudo que sei (não preciso mais pensar nos detalhes, aquele conhecimento simplesmente flui).

3) Importar-se verdadeiramente

Se eu pudesse escolher só um pré-requisito seria esse. Não adianta nada ter todo o conhecimento do mundo se no momento em que está de frente para a criança, numa situação desafiadora, você não estiver ali, 100% presente, com todo o seu amor, atenção e disposição para ajudá-la, escutar a criança.

A Gestalt-Terapia fala de awareness, presença plena, ou seja, estar integralmente voltado para o que está acontecendo aqui e agora: coração aberto, sem julgamentos, permitindo-se apenas estar e ser. Nesse momento não passa pela sua cabeça se você vai acertar ou não, simplesmente você está lá.

E no caso da criança a atenção é redobrada, porque se você não se entrega inteiramente nessa relação nada muda. A criança já nasce com o sistema límbico desenvolvido (o “cérebro que sente”), por isso tem uma sensibilidade ímpar. A criança logo capta alguma incongruência entre o seu corpo e a sua fala, incongruência essa que acontece naturalmente se você não está conectado com o momento presente e com a sua própria essência.

A sua conduta vai interferir diretamente no interesse e na dedicação daquela criança. Importar-se profunda e verdadeiramente com o outro, ver a realidade com olhos novos, destituída dos seus velhos pensamentos estabelecidos. Somente sem o julgamento é possível estar livre para se colocar no lugar do outro, para buscar apoiar essa pessoa. Se você tem essas três primeiras características, com certeza já é uma pessoa de sucesso. Porém, para que você não pare no tempo, precisa da quarta característica.

4) Buscar sua melhoria continuamente

Segundo a International Data Corporation (IDC), a informação disponível no mundo dobra a cada dois anos. Isso quer dizer que o que você aprendeu na universidade e nas demais formações que fez já está em alguma medida ultrapassado. Existem descobertas sendo feitas o tempo todo ao redor do mundo. Dessa forma, é preciso que você busque sempre ser melhor que ontem. Esse aprimoramento constante vai ajudá-la a ser a KidCoach que você deseja. Cuidar da evolução do outro requer antes cuidar da própria evolução (pessoal, profissional, espiritual). É isso que vai levá-la a ser excepcional e levar as crianças a sua volta a serem também.

5) Ser cético

Com tantas pesquisas e descobertas o tempo todo, ser cético é fundamental na sua caminhada rumo à excelência. Não no sentido de duvidar de tudo, de ter sempre um pé atrás. Mas no sentido da filosofia clássica, de saber que tudo o que você crê hoje como verdade pode mudar a qualquer momento. E que justamente por isso só existe um caminho: continuar buscando novas verdades, novas informações. Uma busca confiante, de que aquilo que eu vejo que funciona deve ser utilizado, mas não tomado como verdade única e absoluta. Essa busca deve continuar sempre, inclusive se abrindo a opiniões externas, às novas aplicações e práticas, que possam fazer mais sentido no momento atual.

Matérias Relacionadas

#euindico nº 1
Precisamos falar sobre a raiva: dicas de livros infantis que abordam esse sentimento.
Setembro Amarelo: Como abordar o suicídio na escola